Depois de dois anos de quimioterapias semanais o grande problema que eu estava enfrentando no tratamento era minha imunidade que estava sempre muito baixa. Eu precisava tomar injeções de granuloquine quase que semanalmente, o que provocava dores horríveis pelo corpo.
Imunidade baixa deixa a pessoa muito vulnerável, sujeita a infecções oportunistas e recorrentes, além de muito cansada.
Cheguei naquele ponto em que não tinha nada a perder e então comecei a pensar em procurar terapias alternativas. Fui convidada por uma amiga, que também faz quimioterapia, para fazer parte de um grupo de meditação para pacientes com câncer de mama, dirigido por dois médicos, o Dr. Tosta e Dr. Castelar. Inicialmente não fiquei muito entusiasmada, mas decidi me inscrever no curso. Fiz parte da segunda turma e logo que iniciei as práticas pude perceber os benefícios da meditação. Desde então minha imunidade tem se mantido estável e não precisei mais interromper o tratamento e muito menos tomar aquelas injeções que tantas dores me provocavam. Fiquei tão entusiasmada com o resultado alcançado que agora sou voluntária no terceiro grupo de meditação.
2 Responses
  1. Olá, vi seu comentário sobre práticas de meditação e queria mais informações, tb faço quimio e fico com a imunidade lá embaixo.
    Meu e-mail é fabioesilviane@uol.com.br

    obrigada e Deus a abençoe

    Silviane


  2. Anônimo Says:

    Lou,
    Quem me passou o seu blog foi Denise(Beth Estética). Sofri muito após a 1a. sessão de quimio e tbém quero informações sobre esse grupo de meditação. Por favor, pode passar um contato p/ mim? Meu e-mail: celiarsd@hotmail.com. Obrigada, Célia


Postar um comentário

Obrigada pelo comentário. bjs Lou