Cadê meu presente?

      Tenho a impressão de que o mundo está mesmo perdido, não tem mais conserto.
     Um amigo jornalista que está em contagem regressiva para viver um ano no Exterior onde fará uma especialização, contou-me muito contrariado que antes de sair de São Paulo, onde morou por mais de dois anos, resolveu doar sua máquina de lavar para uma idosa com mais de 70 anos que vive sozinha e ainda precisa ganhar a vida fazendo faxina. 
      Dona Idosa ficou muito feliz quando meu amigo resolveu lhe presentear com a máquina de lavar, que apesar de usada ainda funcionava muito bem. Menos de 500m de distância separava a casa deles, mas era preciso contratar alguém que tivesse carro para que a máquina pudesse ser transportada. Dona Idosa não teve dúvidas em chamar o mesmo taxista que já fizera algumas corridas para ela e as amigas assistirem a um evento religioso que acontecia em local distante. Era seu velho conhecido, então o chamou para transportar o presente.
      O taxista entrou no apartamento do meu amigo e fez questão em ajudar a carregar alguns pratos, copos e utensílios que D. Idosa ganhou além da máquina e assim que tudo ficou acomodado no carro saiu. Chegando na casa de D. Idosa ele retirou todos os materiais pequenos deixando a máquina para o final. Ela, feliz com os presentes, foi levando tudo para seu pequeno apartamento, e voltou saltitante até a rua para receber sua tão preciosa máquina de lavar, mas qual não foi sua surpresa: não havia sinal do carro, do taxista ou da máquina. A rua estava completamente deserta.
      Dona Idosa olhou para todos os lados, esperou um pouco, voltou até sua casa, e depois de alguns minutos de perplexidade concluiu que havia sido ludibriada pelo motorista de sua confiança. Ele havia desaparecido levando seu presente e ela, que além de idosa ainda vivia sozinha no pequeno apartamento, não tinha ninguém a quem recorrer e teve medo de denunciar o malandro e ainda acabar sofrendo alguma maldade por isto.
      É lamentável que um homem saudável e pleno de vigor, que ganha a vida dirigindo pela grande São Paulo, tenha a coragem e a cara de pau de furtar uma pessoa idosa e que ainda trabalha fazendo faxina para poder sobreviver. Ele sabia, tinha certeza absoluta de que ela não teria coragem em denunciá-lo porque além de viver sozinha ainda é idosa. Ela ficaria com medo e se calaria. Jamais teria coragem de ir até uma delegacia registrar uma ocorrência como esta.
      Um sujeito como este taxista merece, no mínimo, uma surra daquelas. É um ladrão de galinhas muito sem vergonha que só tem coragem mesmo é de furtar velhinhas indefesas.
1 Response
  1. Anônimo Says:

    Querida Lou ..desejo te conhecer !!! bj
    Maria luiza !!


Postar um comentário

Obrigada pelo comentário. bjs Lou