Aposentadoria por invalidez

Hoje é dia 6 de outubro de 2009. Semana passada, mais de 10 anos depois de ter feito mastectomia com esvaziamento axilar, minha mão e meu braço direito amanheceram exageradamente inchados e doendo muito. Minha mão ficou tão estufada que parecia uma luva de box. Eu tinha dificuldade até de dobrar os dedos. A dor me atormentou muito no sábado e domingo, hoje está um pouco melhor.
Lembrei, então, de um texto que escrevi sobre as dificuldades que as mulheres mastectomizadas encontram para obtenção da aposentadoria por invalidez.
.
Na clínica da Dra. Luci Ishii, onde faço tratamento quimioterápico, existe uma equipe multidisciplinar que ajuda no enfrentamento da doença. Além dos médicos temos atendimento com psicólogos, nutricionistas, acupunturista e também temos arteterapia uma vez por semana.
O grupo que participa da arteterapia é muito animado. A Bené, nossa instrutora, é uma verdadeira artista. Ela ensina tudo que sabe de tapeçaria, bordados, enfeites de natal e outras mil coisas. As manhãs de quarta-feira passam voando, pois enquanto trabalhamos com as mãos a língua não para quieta. Conversamos de tudo e damos gostosas gargalhadas entre um ponto e outro, um bordado, uma pintura ou qualquer outra coisa. É papo que não acaba mais.
Das conversas com o grupo a que mais causa indignação é quando o assunto versa sobre as dificuldades na obtenção da aposentadoria por invalidez após uma mastectomia radical com esvaziamento dos gânglios linfáticos.
Ora, todo médico sabe que o esvaziamento axilar causa diminuição da força muscular e que o movimento repetitivo pode provocar um sério edema em todo membro. Porque o médico do INSS insiste em afirmar que uma paciente neste estado está apta a retornar para um trabalho muitas vezes braçal? Qual é o problema com a equipe de peritos do INSS?
Uma paciente mastectomizada não está pedindo nenhum favor ao perito. Ela tem um direito garantido por lei. Ela precisa ser aposentada para conseguir ter qualidade de vida. Se ela teve que fazer o esvaziamento axilar não há como exigir que essa paciente volte a executar um trabalho braçal e muitas vezes repetitivo. Seria condená-la a ganhar um linfedema irreversível e ter dores violentas nos membros afetados pelo problema.
Eu precisei fazer o esvaziamento axilar em 1998. Já estamos em 2009 e ainda tenho o braço e a mão direita inchados porque, sem saber das consequências, insisti em fazer um simples bordado que aprendi. É um trabalho aparentemente leve e sem consequências, mas sinto dores no braço até hoje. Agora sei que posso trabalhar com as mãos e até usar o computador para escrever, coisa que gosto de fazer, mas não posso me exceder. Fico no máximo uma hora teclando. Será que poderia me dar a esse luxo estando trabalhando formalmente? Todo mundo sabe muito bem que não.
Um dia desses conheci uma paciente que está angustiada com a proximidade de uma nova perícia. Ela está afastada do trabalho desde que fez a mastectomia e teme que os médicos a obriguem retornar ao trabalho. Uma porque o caso dela é sério, pois precisou retirar as duas mamas com esvaziamento axilar. Outra porque a empresa onde ela trabalhava já não existe mais. O que fazer num caso como este? A médica perita do INSS, contrariando o parecer de outro perito, negou-lhe a aposentadoria na última perícia a que foi submetida. E agora?
Outra paciente, que trabalhava fazendo doces, também está aflita. Ela já está afastada há quase cinco anos e será submetida a nova perícia. Ela não consegue mais mexer grandes quantidades de doce, pois seus braços ficam inchados e doem. Será que os peritos vão entender as necessidades dela? Os patrões, com certeza, não entenderão. Ela sabe que se precisar retornar ao trabalho será colocada na rua na primeira oportunidade.
Casos assim somam aos montes por aí. Os peritos do INSS não estão nem um pouco preocupados com o estado real dos pacientes que chegam até eles. Não é a mãe deles, nem a irmã ou tampouco a filha que está ali para ser submetida ao descaso deles.
Aliás, não precisa ser perito do INSS para ser insensível e até grosseiro. Eu encontrei um desses no DETRAN. O sujeito era muito grosseiro. Até me disse que só daria o parecer favorável se eu estivesse para morrer. E aí eu pergunto: o que vou fazer com um carro com direção hidráulica e câmbio automático se já estiver com o pé na cova? No máximo o carrinho que vou precisar é aquele que carrega caixão para a cova, concordam???
O direito que um paciente mastectomizado tem para adquirir um carro com direção hidráulica e câmbio automático, pagando menos por ele, é para facilitar-lhe a vida, para dar-lhe qualidade de vida. Se esse direito for dado somente na hora da morte quem irá usufruir das benesses será qualquer outra pessoa, menos o paciente.
Sabemos que o INSS tem suas mazelas, mas também sabemos que o problema não está no pagamento das aposentadoria. Qual será???
Então senhores peritos que porventura venham a ler esse texto, na próxima vez que atenderem uma paciente nessas condições sejam mais delicados e cuidadosos. Tentem se humanizar como profissionais da medicina. Aprendam a escutar suas pacientes, suas histórias podem se repetir muito próximos de vocês...
10 Responses
  1. Lara Amaral Says:

    Pois é, tia, como vc falou "suas histórias podem se repetir muito próximo de vocês". Alguns médicos se acostumam com os problemas dos outros, achando tudo banal, pois veem atrocidades demais, muitas doenças etc. Enfim, alguns profissionais caem em contradição da sua própria profissão.

    Grande abraço.


  2. Anônimo Says:

    isto e uma vergonha ;enquanto os politicos roubão e fraudão o inss quem paga a conta somos os doentes ,porque ? é só fazer uma auditoria nos bens do lula que em 8 anos ele enrriqueceu muito; como pode com o salario que ele ganha.Cade a Giorgina, ela devolveu o que roubou? estou sabendo por funcionaria do inss,que atal alta programada foi tudo a mando do presidente lula(drão).Isto é uma vergonha de um governo tão corrupto quanto a esse. Deus tem piedade de nós.DEUS é maior que estes ladrões e filhos da puta.


  3. Anônimo Says:

    lula, genoino,georgina,luiz marinho,berzoino,marta suplici,vicentinho,mercadante,zé dirceu, mensalão,dolar na cueca,e muito mais;etc...;é muita cara de paú desses caras,em querer voltar a politica,por que eu falo ;cada povo merece o presidente que tem....FORA PT{partido dos trambiqueiros}. Coitados dos segurados do INSS,estes medicos peritos,estão dando até para morto.È bom que´ésta PRESIDENTA ELEITA,veja estas coisas;apesar que ela tambem é da Máfia petista [ nazista].ponto e basta !!!!!!!!!. fora seus ladrões.


  4. Anônimo Says:

    Tenho problemas de coluna,fui fazer pericia no inss,em vez de eu passar com um profissional da area de ortopedia;fiquei indignado;pois o perito que me ezaminou,ela era genicologista,o que não tem nada a ver com o meu problema de coluna. COMO podem deixar isto acontecer ,uma coisa não tem nada a ver com aoutra. E ai não podia dar outra coisa! AUTAAAAAAAAAA..........!ELE nem olhou os meus exames que comprovam a minha doença. ISTO È UMA VERGONHA,pois contribui a minha vida toda para esta merda do INSS, que só presta para descontar dos nossos salarios, para eles mesmo osufruirem dos nossos dinheiro.CHEGA de CORRUPÇÂO ,VOLTA DITADÙRA.


  5. Anônimo Says:

    fiz mastctomia sinto muita dores no braço o perito do inss mem deu alta,,fiz uma pericia judicial e estou esperando a audiencia,,,sai pra mem aposentar sempre trabalhei,como aj. de cozinha eu nao tenho condiçoes ,,,,abç,,,


  6. Anônimo Says:

    faz dois anos que fiz uma mastectomia radical com esvasiamento axilar,com um ano voltei ao trabalho pois era leve,mais agora a empresa estar querendo colocarme para trbalha em um hospital e mas num setor de esterelização de material contaminado(expurgo) estou pensando em recorrer a aposentadori, sera que tenho direito. rosilda 04/01/2013


  7. Lou Says:

    Rosilda,
    A legislação brasileira assegura aos portadores de neoplasia maligna (câncer) alguns direitos especiais, entre eles a aposentadoria integral por invalidez. Se você fez mastectomia radical acredito que você tenha direito a aposentadoria, até porque sem os gânglios linfáticos você fica impedida de fazer movimentos repetitivos, pegar peso e outras coisas mais.
    Seja servidora pública ou da iniciativa privada vc tem direito a aposentadoria. Procure se informar. A Lei 8.112/90 - art 186 I e parágrafo 1º rege os direitos do servidor público federal e os Servidores vinculados ao Regime Geral de Previdência Social são regidos pela Lei 8.213, de 24/07/91, arts. 26, II e 151.
    Procure se informar no Setor de Legislação do seu local de trabalho. Um abraço


  8. Isso é o cúmulo mesmo! Fui pra perícia mês passado pq fiz mastectomia e esvaziamento e pra completar estou com tedinopatia no eombro a quase um ano, sinto fortes dores e quando fui pra perícia a médica disse q eu estava apta para exercer minhas funções! Trabalho como operadora de caixa e todo mundo sabe q é movimentos repetitivos sem contar q vc faz N funcoes, por isso pedi o pedido de reconsideração pq nao mim sinto com saúde pra voltar a trabalhar e com fé em Deus vai dar certo!


  9. Rosa maria de Jesus Says:

    Eu viu fazer pericia inss dr inss mandou eu trabalhar Doente com esse braco que doi vinte quatro hora porque retirei tudo mama e esvaziamento tambem eu tenho forca pra mais nada agora nao sei o que fazer ai marquei outra perica dia dia vinte e oito abril si deus quiser eu vou passar porque nao aquento mais de dor so seu que este Brasil nao vai tra frente eles do inss nao ve isso um dia pode ser eles


  10. Lou Says:

    Rosa, o esvaziamento axilar deixa a pessoa com sequelas. Não tem o que discutir. Insista com a perícia. Se continuarem a negar seu direito entre com medida judicial. Procure a defensoria pública.
    Um abraço da Lou


Postar um comentário

Obrigada pelo comentário. bjs Lou