Recebendo amigos

Há uns cinco anos ou mais eu e algumas amigas fizemos uma viagem de navio . Foram sete noites navegando entre o Rio de Janeiro, Santos, Salvador, Buzios; em resumo, por esse nosso lindo litoral. Navegávamos durante a noite e pela manhã o navio aportava para que pudessemos aproveitar o dia pela cidade.
Viajar de navio tem suas vantagens: todas as noite temos oportunidade de assistir a um show ou participar de festas temáticas e durante o dia são várias brincadeiras. No jantar, sempre mais elaborado, os passageiros são colocados em mesas numeradas e assim acabamos conhecendo mais de perto outras pessoas além de nosso próprio grupo.
Foi assim que ficamos conhecendo o Cid um senhor viúvo e aposentado que vive em Curitiba. Ele ficou em nossa mesa de jantar e acabamos por nos tornar amigos. Já o visitamos algumas vezes em Curitiba e até viajamos juntos para Foz do Iguaçu.
Ele é um homem sistemático, mas bem humorado e que gosta de fazer piada. Adora ler, é apreciador de arte e cultura geral e dá notícia de tudo. Até hoje, depois de mais de dez anos de viuvez, ainda fala da mulher com muito carinho e saudade. É um amigo leal e atencioso. Faz questão de ligar frequentemente para saber e dar notícias.
Sempre o convidamos para conhecer Brasília e hoje, finalmente, ele chegou para passar alguns dias. Fomos aguardá-lo no aeroporto, mas o tempo ruim em Londrina fez o vôo atrasar quase três horas. Foi uma confusão tão grande que apesar de termos ido duas vezes ao aeroporto acabamos por nos desencontrar e ele acabou indo com o filho de taxi para o hotel.
Fomos para o hotel também e foi uma festa quando finalmente nos encontramos e conhecemos o Cláudio, filho dele. Conversamos um pouco para em seguida sairmos, debaixo de chuva, para mostrar a cidade. Passamos devagar pela Esplanada dos Ministérios e seguimos adiante até o Palácio da Alvorada onde demos nossa primeira parada para fotografias. A chuva já havia diminuído e não estragou nossas fotos e é claro que fizemos aquelas fotos típicas de todo e qualquer turista que se preze: uma ao lado do coitado do soldado que fica parado estático e todo engalanado e outra jogando uma moedinha no espelho d'água em frente ao palácio.
De lá fomos para a Ermida Dom Bosco. O sol já havia voltado e a vista estava linda. Aproveitamos para saborear uma deliciosa água de côco enquanto conversávamos animadamente. De repente o celular tocou, era a Suzi dizendo que o carro da Lili havia quebrado na subida da QI 27. Fomos até lá e em seguida a Elvira veio me deixar em casa e retornou para pegar a Lili e a Suzi que ficaram aguardando o socorro mecânico.
Preferi voltar mais cedo para casa porque hoje ainda estou sob efeito do zometa e meu corpo está todo doído. Já tomei um remédio e daqui a pouco sei que estarei sonolenta, mas amanhã vou estar novinha em folha para passear com meus amigos mostrando minha linda Brasília. 4/set/09
3 Responses
  1. Espero que melhore logo, n gostode saber q está malz! Que bagunça hj hein?!?!

    Mas no fim tudo dá certo senão ainda n é o fim!!!


  2. Lara Amaral Says:

    Dia agitado, hein, tia? O meu tbm foi... Mas que bom que vc pôde reencontrar pessoas queridas. Tenha um ótimo fim de semana.
    Abraços!


  3. Eliete Says:

    Bomba de gasolina: R$240,00
    Seguro anual do carro: R$1.200,00
    Ter os amigos interrompendo o passeio deles, ti fazendo sorrir da situação e dando o maior apoio: NÃO TEM PREÇO!!!!!
    Porque as melhores coisas da vida não são coisas!!!!!
    Beijin,


Postar um comentário

Obrigada pelo comentário. bjs Lou